Redefinir Senha

Busca Avançada
Seus resultados de busca
13 de setembro de 2017

Cultura contra intolerância

Neste domingo, dia 17, acontece na Praia de Copacabana, no Rio, às 17h, uma caminhada em defesa da liberdade religiosa e contra a intolerância. “O momento de demonstrar nossa indignação é agora, nós resistimos e por isso ocupamos o espaço público para que a sociedade e o corpo político nos respeite”, diz a fundadora  da Casa do Perdão, Mãe Flávia Pinto.

A Casa do Perdão, um dos mais respeitados centros religiosos do Rio, é uma das acomodações listadas na nossa rede. Entendemos que conhecer uma cultura, seus valores e fundamentos é a única ponte possível contra a intolerância. Ao cadastrar a Casa em nossa rede, nossa proposta é fomentar experiências de imersão para conhecer melhor as religiões de matrizes africanas e fortalecer a luta contra a intolerância.

Atualmente, o Rio de Janeiro vive uma onda crescente de agressões contra casas tradicionais de religiões de matrizes africanas, como a Umbanda e o Candomblé. São comuns os casos de furtos, destruição, incêndios criminosos e depredações de imagens e casas religiosas, sobretudo na Baixada Fluminense.

Os casos estão sendo investigados pela Polícia Federal, mas a comunidade de terreiro está em mobilização. No sábado, às 11h, o Terreiro Ilê Asè Omiojúàró, em Nova Iguaçu, também sedia uma discussão entre lideranças vai pautar estratégias de enfrentamento à onda de violência.

Liderança do movimento negro, integrante do Comitê de Diversidade Religiosa do Ministério da Justiça, Flávia recebeu em 2011 o Prêmio Nacional de Direitos Humanos pelo trabalho à frente da casa e sua atuação no atendimento social a internas do sistema presidiário do Rio.

A Casa do Perdão é um Terreiro de Umbanda fundado em 1999, em Padre Miguel, mas há dez anos atua em uma sede própria em Campo Grande. A Casa  realiza trabalhos sociais gratuitos que atendem a comunidade do seu entorno, com atividades como aulas de capoeira, reforço escolar, atendimento e  aulas às internas do sistema penitenciário, passeios culturais, doação de roupas e cestas de alimentos. Os recursos arrecadados com a acomodação e visitas são destinados às ações desenvolvidas pela casa.